QUEBRANDO LAÇOS DA ALMA

05/11/2010 16:39

Laços de Alma são prisões em que nossa alma se estabelece com outras pessoas ou até mesmo objeto, ou ações. São uniões, que na maioria dos casos ocorre fora dos laços da Palavra de Deus.

Uniões são alianças, e alianças são conforme o Dic.: “s. f.

 
1. Ato ou efeito de aliar(-se).

 
2. Acordo, pacto (Ajuste, contrato, convenção entre duas ou mais pessoas).

 
3. União pelo casamento.”

 
Alianças representam pactos, que são associações mútuas, de perdas ou ganhos entre as partes envolvidas. Tudo o que é de alguém passa a ser de outrem. Tomemos como base (Gn 2:24) onde a palavra diz: “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.”  
 

 

Somos como árvores plantadas pelo Senhor na terra crescemos e damos frutos – que são os resultados alcançados nas diversas áreas de nossa vida seja ela profissional, familiar, espiritual e ministerial. Uma árvore doente produz frutos deficientes. Alguns jovens já estão tão machucados!
 
São como árvores cujas folhas foram arrancadas pelas aves, aves estas (que simbolizam os demônios, que vem para atacar a vida sentimental das pessoas). Para que a pessoa se recupere e consiga de volta a saúde emocional necessária para poder se relacionar de forma santa e verdadeira, é preciso um posicionamento, destruindo assim todas as cadeias e mentiras que foram lançadas por satanás em sua mente no decorrer de sua vida.
 
Infelizmente satanás usa até as pessoas de quem gostamos ou a quem amamos para nos machucar. Muitas árvores tiveram o seu tronco completamente dilacerado pelas machadadas da rejeição, do abandono e da mágoa. Somente a água viva do Espírito Santo pode curar essas feridas, levando novamente essa árvore a dar bons frutos.
 
Não precisamos mais viver uma vida presa ao passado, pois o sangue de Jesus já nos lavou, e nEle somos novas criaturas. Ter essa revelação é a chave para a cura e a libertação de uma alma doente. E, uma vez curados, não devemos deixar que temores e medos venham e roubem a bênção de Deus para nossas vidas.
 
Ao sermos curados, devemos crer que fomos restaurados e que estamos prontos para viver o relacionamento que Deus preparou para nossas vidas. A Bíblia diz, em (I Tessalonicenses 5:23), que somos espírito, possuímos uma alma e habitamos num corpo.
 
Nosso espírito, ao nascermos de novo em Cristo Jesus, foi recriado; nosso corpo será glorificado futuramente; mas a nossa alma necessita ser transformada a cada dia. Essa verdade o próprio Deus nos ensina no (Salmo 19:7): onde diz: “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma...”. 
 

 

Deus planejou coisas maravilhosas para cada um dos Seus filhos, Ele quer que desfrutemos, cada um de nós, de casamentos cheios de amor, paz e da Sua presença, sem medos e receios. Mas, para que esse casamento dos sonhos de Deus para nós aconteça, é preciso que sejam lançadas fora da nossa vida as amarras de satanás que ligam nossa alma ao passado.
 
O diabo sempre vai querer nos acusar. Ele busca roubar o melhor de Deus para nós, nos lembrando do passado. E infelizmente nós mesmos deixamos brechas abertas para o inimigo agir em nossas vidas, ao criarmos os laços de alma, qual seja, vínculos fortes existentes entre duas ou mais pessoas, gerados a partir de um relacionamento sexual ou não.
 
A união entre homem e mulher é um mandamento de Deus. A Palavra de Deus, em (Gênesis 2:24) e (Efésios 5:31) diz a mesma coisa: “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”. Como Igreja, um dia também estaremos nos unindo definitivamente com o Senhor.
 
Todavia, ao nos envolvermos emocional ou sexualmente com uma pessoa, ficamos presos a esse parceiro. Muitas pessoas, mesmo muito tempo após o término de um relacionamento, não conseguem esquecer o outro, e alimentam durante muito tempo uma relação que já não mais existe, mas que ficou marcada em sua alma. 
 
Há casos de pessoas que, até mesmo após se casarem, continuam sendo atacadas na mente com pensamentos demoníacos sobre os relacionamentos passados com ex-namorados ou pessoas com quem tiveram algum envolvimento sexual. Esses pensamentos freqüentemente aparecem ligados a sentimentos saudosistas. 
 
Em alguns momentos, esses ataques são tão agressivos, que geram crises no casamento, muitas vezes podendo levar até à separação do casal; o que obviamente não é a vontade de Deus. Cada vez que nos envolvemos com alguém, entregando o nosso coração ou o nosso corpo, ficamos presos àquela pessoa, deixando pedacinhos da nossa alma com ela e levando pedacinhos dela conosco.
 
Usando um exemplo que já foi dado em outras ocasiões, o casal pode ser comparado a duas folhas de papel coladas uma na outra. Ao puxarmos essas folhas, tentando despregá-las, elas sairão rasgadas, faltando pedaços. Ao nos relacionarmos sexualmente com alguém, abrimos nessa relação um grande canal para a transferência de demônios. Muitos vivem em seus casamentos uma vida de opressão e não sabem a causa, que quase sempre tem início em uma relação sexual fora do propósito de Deus.
 
Outra conseqüência terrível desses laços na alma das pessoas é a frigidez sexual no casamento. O mesmo demônio que atuava na hora da fornicação atuará posteriormente no casamento, mas desta vez retirando a atração e o prazer do cônjuge para com o seu parceiro.
 
Alguns sentem completo pavor da relação sexual com o cônjuge, devido a experiências terríveis vividas anteriormente, na fornicação. No livro de (Nm 33:51-53) a palavra diz: 
 
“Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: ‘Quando houverdes passado o Jordão para a terra de Canaã, lançareis fora todos os habitantes da terra de diante de vós, e destruireis todas as suas pedras em que há figuras; também destruireis todas as suas imagens de fundição, e desfareis todos os seus altos; e tomareis a terra em possessão, e nela habitareis; porquanto a vós vos tenho dado esta terra para a possuirdes.’” 
 

 

Hoje em dia, um grande número de pessoas tem sido alcançado pelo Evangelho do amor de Deus. Percebemos que muitos têm sido tirados do Egito, mas ainda assim vivem uma vida de deserto emocional, não chegaram a provar da Canaã emocional porque permanecem presos aos laços de alma do passado.
 
Para entrar na “Terra Prometida”, é preciso expulsar os antigos moradores do nosso coração. Essa foi uma ordem dada pelo próprio Deus aos israelitas quando foram tomar posse da terra de Canaã . Não há como misturar coisas novas em um espaço cheio de coisas velhas. Sua nova vida em Cristo requer um coração limpo, purificado.
 
Os “antigos moradores” têm que sair, bem como quaisquer objetos (cartas, presentes, fotos e outros) que estão ligados a eles. Tem que ser algo realmente radical! Não devemos perder o nosso tempo alimentando uma idéia romântica (mas errônea): “Estou orando para que a pessoa tal se converta... e então nós nos casaremos”.  
 

 

Esse tipo de atitude, por mais linda que pareça, acaba sendo um laço do inimigo que nos levará ao pecado novamente. A Bíblia menciona no texto referente ídolos de metal e pedra. Estes ídolos apontam para algo fortificado, arraigado, que está na terra há muito tempo. E muitas vezes o jovem se converte, tem a vida transformada, mas traz ainda em seu coração pessoas que se tornaram objeto de idolatria: preferem estar com esses ídolos em seu coração do que agradar a Deus.
 
É imprescindível ter atenção para o que diz o (versículo 55 de Números 33), quando Deus alerta o povo sobre as conseqüências de não expulsarem os antigos moradores de Canaã: “Porém, se não desapossardes de diante de vós os moradores da terra, então, os que deixardes ficar ser-vos-ão como espinhos nos vossos olhos e como aguilhões nas vossas ilhargas e vos perturbarão na terra em que habitardes.”
 
Por causa da negligência em terminar radicalmente os relacionamentos passados, e as fantasias e sonhos errôneos que os cercam, muitos não conseguem viver um casamento bem- sucedido e são constantemente atacados pelo passado. Estão casados, mas comparam os seus cônjuges com antigos parceiros e vivem com a alma aprisionada, com receio de serem traídos ou trocados.
 
Em (Mateus 18:23-35), temos a história do credor incompassivo - que pode ser chamada de “parábola do perdão”. Um senhor perdoa a dívida de seu servo, e este, saindo pela rua, encontra um conservo seu que lhe devia, e se exalta contra ele, não o perdoando. O fato chega ao conhecimento do seu senhor, que se indigna contra aquele a quem tinha perdoado, lançando-o aos algozes até que fosse paga a dívida.
 
A falta de perdão é uma das mais fortes cadeias que podem prender um homem ou uma mulher, impedindo-os de receber o melhor de Deus. Assim como não conseguíamos pagar a nossa dívida com Deus - e foi necessário que Jesus a pagasse por nós, também devemos tomar a decisão inquestionável de perdoar, sem esperar nada em troca, todos aqueles que um dia nos feriram, quebrando completamente as cadeias de alma criadas e fechando as brechas que o inimigo tem achado abertas para atuar em nossas vidas.
 
Somente assim entraremos e possuiremos a Canaã emocional que Deus tem para cada um de nós. Há uma parte prática querido que pode ser feita por você agora mesmo: ore e peça a Deus para lhe lembrar das pessoas que se tornaram laços de alma para você; principalmente as que o machucaram emocionalmente, que feriram a sua alma, independentemente de envolvimento sexual; ou mesmo ainda que tenha havido um envolvimento. 
 
CONCLUSÃO

 Por fim, ore reafirmando e refazendo sua aliança com Deus e seu propósito de viver o plano de Deus para sua vida emocional. Se houver qualquer dificuldade ou impedimento em tomar essa atitude, procure uma pessoa com maturidade em Deus na sua igreja, para ajudá-lo nessa tarefa. Não desista! Deus tem o melhor pra sua vida! Ele sonhou com um relacionamento emocional maravilhoso para você!

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!